Resumo

Escola Esoterica Egipsio Atlantidea
( Professor Ida di Donato )

ESCOLA EGÍPCIA
( professor Ida di Donato )
ESTIGMATIZADO
GIORGIO BONGIOVANNI
ÓVNI: VERDADE ETERNA
Testemunhos de contatos diretos com navios
e irmãos cósmicos  
CÍRCULOS DE COLHEITA

Entreviste a Ida Donato
( De Paolo Buttiglieri )

 

Ida di Donato um canal entre mundos (irmaos de otros mundos) faz muitas vidas que serve a tradiçao iniciatica egipsio-atlantidea. Em Natal de 1988, conta Ida di Donato, descobriu de ser um canal. Chueguei a um ponto da minha existencia,conta Ida, que desejava oferecer a minha vida para ajudar, sem saber como.De sempre eu procurei Deus, quem eu sou, de onde venho.Antes eu procurava Deus raciocinando e sem conseguir nada, depois em fim eu descobri a maneira. Era a primeira vez, na vigilia de Natal, que eu dormia na minha casa sozinha. Naquela epoca eu tinha 33 anos, era devorciada e morava em Roma com a minha filha di 9 anos de idade. Naquele dia ela nao estava por que estava na casa dos avos. Fui dormir, de repente acordei e vi as luzes de casa ligando e apagando toda hora sozinhas como se alguem estivesse brincando com o interruptor. Quando coloquei os pes no chao as luzes ficaram ligadas e contemporaneamente a televisao, que estava desligada, começou a ligar e desligar automaticamente.

Com medo e curiosidade sentei na frente da televisao. De repente começou um filme sobre o Egito dos Faraoes do começo. Entretanto o quarto foi invadido por uma luz violeta com relampagos de luz indico que enterlaçavam todos os objetos do quarto. De repente me senti puchada do sofà a um metro do chao e essa força macia indescritivel depois me colocou de novo no chao. Naquele instante vi se desenhar a estrela de David no chao. No triangulo branco (o outro era apagado) apareceram velas brancas acesas (nas tres pontas). Esta força persistente me levou dentro do triangulo branco e me fez ajoelhar com as palmas das maos apoiadas no chao. Depois um pouco me levantou e em uma fracao de segundo, eu senti uma energia me atravessar dos pes a cabeça. No nivel do coraçao se espandia aos lados dando-me a impressao de ter asas. Me senti flutuar no universo, como uma cobra. Eu chorava, chorava apavorada , depois em cima da minha cabeça apareceu um ser de dois metros de altura, vestido de antigo egipsio. A cabeça dele mudava de falcao a homen e cachorro.

Ele era de cor vermelha e vestia uma sainha branca atè em baixo do joelho. Tinha joias com os simbolos do conhecimento divino. Atras dele, na parede, apareceram entidades de outros planetas que assistiam a esse ritual. Quando a energia me deixou sentada na frente da mesa, de repente a agua caiu de todos os meus orificius. Ai uma voz interior, harmoniosa, nem masculina nem feminina me falou de escrever. A minha mao, que virou de luz violeta, començou a escrever automaticamente. A entidade, que chegava de Atlantida no Egito, foi divinizada com o nome do Falcao Orus. Durante a noite com ele do meu lado, em forma de falcao vermelho, eu me vi como uma sacerdotiza reencarnada de Atlantida e do Egito. Um dia depois acordei com os cantos dos antigos egipsios na minha cabeça. Em Roma uma voz me perguntou se eu queria  levar os pesos dos outros.

E a camera travou...

Nao acontece todos os dias de intrevistar personageis como Ida di Donato, uma mulher de Salerno (Napoles) baixinha e cheia de energias. Ela nasceu o dia 2 de maio do 1955, se casou com 21 anos, separada e divorciada, tem uma filha de 24 anos. Ela conduis seminarios experenciais sobre a tradiçao iniciatica atlantidea egipcia e os irmaos cosmicos. Eu fui intrevista-la na Umbria, na comunidade dela em uma chacara na roça. A coisa esquecida foi que durante a intrevista eu liguei a camera mas nao consegui coloca-la no fogo certo. Ai ela me perguntou se podia falar e falou mais o menos por dez minutos em rima e em um italiano antigo, mas compreensivel. Atravez dela me falou un antigo sacerdote egipcio-atlantideo que me disse eu tambem ser um antigo sacerdote e falou coisas de me que a Ida nao podia saber. Ao final desse estranho fenomeno que me deixou sem palavras, a camera funcionou de novo.